Antes de qualquer coisa, preciso confessar: eu sou fã de Madonna. Muito. Sempre fui e sempre serei. Nos grandiosos e duvidosos álbuns, nos looks excêntricos e duvidosos, nos bons e nos maus dias, eu confesso, para mim, não existe outro ser humano vivo tão relevante, autêntico e percursor na cultura popular.